A marca como pessoa: o berço.

A marca como pessoa: o berço.

“Vamos ter um filho?”
“Como vai chamar? Legal!” “E se for menino?”

A similaridade entre pessoa e marca existe desde o surgimento das primeiras idéias. Normalmente, o segmento de atuação de uma marca é a primeira coisa a ser definida. Isso se deve por uma série de fatores como aptidão dos seus idealizadores, conhecimento adquirido ao longo de suas vidas ou simplesmente por uma oportunidade existente no mercado.

A busca pelo nome começa logo em seguida, e os planos e sonhos começam a se desenvolver mesmo antes que a marca efetivamente tenha “nascido”.

Essa fase de planos e sonhos dos criadores é de suma importância para as marcas. Neste momento, as decisões interferem em sua formação e, ainda que sejam pequenas nessa fase, irão tomar grandes proporções conforme a marca for se desenvolvendo.

Alguns questionamentos são fundamentais no planejamento da marca:

• É realmente o momento correto para criá-la?

• Há recursos necessários para realizar tudo o que se está planejando?

• A região é favorável para seu desenvolvimento?

• O conhecimento sobre os produtos e serviços são suficientes ou há pessoas que possuam tal conhecimento e que estarão envolvidas no processo de criação da marca?

Quanto mais provada for a idéia da marca antes de seu nascimento, mais consistência ela terá e, consequentemente, mais facilidade de se desenvolver.

Coragem, vá em frente e sucesso!

 


Artigo escrito por Cláudio Souto.